Circuito Mundial

  • Crédito: FIVB

    Maria Elisa está suspensa preventivamente e aguarda julgamento.

Caso de Maria Elisa sobe para o STJD

Tribunal que analisa processos relacionados ao voleibol ainda não tem data para julgamento
Por: Redação - 26/04/2016 10:19:24
534 visualizações

Conforme o amovoleidepraia havia antecipado na segunda feira, a Autoridade Brasileira de Controle de Dopagem (ABCD) e a Confederação Brasileira de Voleibol (CBV) confirmaram que a substância encontrada na amostra de urina da jogadora Maria Elisa foi mesmo a hidroclorotiazida. A coleta ocorreu durante o Grand Slam disputado no Rio de Janeiro, em março, e deu positivo para doping.

Maria Elisa foi comunicada do resultado do exame dia 11 de abril e no dia 12 pediu a contraprova, que ficou pronta dia 22, mas foi divulgada apenas na segunda-feira. O resultado confirmou a presença da substância proibida detectada na primeira amostra. Trata-se de um elemento diurético, que não melhora a performance do atleta mas pode mascarar componentes com esse propósito.

O caso agora vai para julgamento no Superior Tribunal de Justiça Desportiva do Voleibol, ainda sem data marcada. Maria Elisa está preventivamente suspensa por 30 dias, como determinam processos desta natureza, de acordo com a Medida Provisória número 718 e no Decreto número 8.692.



Compartilhe



Veja também...

    Deixe um comentário

    Seu e-mail não será publicado. Campos Obrigatórios *

    Publicidade
    Publicidade
    Publicidade