+ Notícias

  • Crédito: GettyImages Sport

    Chase Budinger e seu parceiro durante o AVP San Francisco Open

Ex-astro da NBA encontra nova vida no vôlei de praia

Americano que atuou pelo Houston Rockets e Indiana Pacers agora é escreve seu nome na areia
Por: Redação - 13/09/2018 17:11:40
413 visualizações

Ainda que esteja obtendo bons resultados no circuito mundial, nem tudo tem sido flores na nova carreira de Chase Budinger. Ex-astro da NBA, o jogador conversou com o Team USA sobre o episódio em que precisou enfrentar seu próprio irmão, em agosto deste ano.

 “Sei que meus pais definitivamente não gostariam de ver esse jogo acontecer”, disse Chase, exatamente dois meses antes do fato acontecer durante o AVP Manhattan Beach Open, mês passado, na Califórnia.

Na fatídica partida, Chase Budinger e seu parceiro, dono de duas medalhas Olímpicas, Sean Rosenthal eram favoritos contra a dupla, 18ª cabeça de chave, Duncan Budinger e Daniel Dalanhese.

Não apenas os azarões fizeram frente aos favoritos, como também levaram a partida ao terceiro set, vencendo por 17-15 após 1h17 minutos de duelo entre irmãos.

A surpresa, no entanto, veio no fato de o mais velho dos Budinger, Chase, estar trilhando uma nova jornada aos 30 anos de idade em um esporte completamente diferente daquele que o consagrou.

Após uma bolsa escolar na Universidade do Arizona, o jogador teve seu momento de glória na NBA entre os anos de 2009 e 2016, tendo ainda jogado uma temporada na Espanha.

Agora, o mais jovem dos irmãos Budinger fez sua estreia no vôlei de praia em maio deste ano, durante o FIVB Huntington Beach Open. As dificuldades de fazer a bola passar por cima da rede ficaram claras na ocasião.

“Nunca passei por uma situação onde meu emocional tivesse completamente desaparecido”, ele disse. “Simplesmente desapareceu”.

O momento ruim, felizmente, não durou muito, e quase um mês depois, Chase e Rosenthal ficaram em quinto lugar em Nova York. Dois eventos depois, veio a primeira final da dupla, que acabou superada em três sets.

“A intenção de Rosie é apenas chegar ao domingo”, disse Budinger, sobre seu parceiro, se referindo ao último dia dos torneios. “Uma vez lá, qualquer coisa pode acontecer”.

Não apenas no domingo, mas na sexta-feira qualquer coisa pode acontecer. Apenas uma semana após conquistarem a prata em Nova York, a dupla derrotou o melhor jogador do mundo, o brasileiro Evandro Gonçalves, em Gstaad, numa das paradas mais populares do circuito.

“Tudo o que eu precisei foram de repetições atrás de repetições. Estou apenas tentando ficar cada vez melhor. Adoraria chegar nas Olimpíadas, vencer um Manhattan Beach Open e ter meu nome no píer. Esses são os meus objetivos, é o que eu tenho em mente por agora”.

 



Compartilhe



Veja também...

    Deixe um comentário

    Seu e-mail não será publicado. Campos Obrigatórios *

    Publicidade
    Publicidade
    Publicidade